Atualizações em Neuroinfecção – Jan/17

Publicado: 05/02/2017 em Neuroinfecção
Tags:, , ,

img

Zika para neurologistas

(“Zika virus disease for neurologists”)

Smith DE, Beckham JD, Tyler KL, Pastula DM

Neurol Clin Pract. 2016 Dec;6(6):515-522

Comentário: Este artigo faz um apanhado das manifestações neurológicas descritas nos mais variados contextos de aquisição do Zika vírus (ZIKAV), da forma congênita à adquirida na terceira idade.

Possíveis efeitos apoptogênicos do ZIKAV, descritos in vitro, justificariam os relatos de fetos com crescimento intrauterino restrito (CIUR), microcefalia com lisencefalia e hipoplasia dos núcleos da base. Porém, mais recentemente, foram descritos casos de Zika Congênita com manifetações oculares, desde lesões do segmento posterior (coriorretinopatia, atrofia de nervo óptico) até subluxação do cristalino e coloboma de íris bilateral.

Por meio do sequenciamento do RNA viral, foi possível relacionar as cepas implicadas na recente epidemia de microcefalia congênita no nordeste brasileiro com vírus circulantes na epidemia de 2013 na Polinésia Francesa, reforçando o vínculo etiológico, até então tido como incerto.

Para além da síndrome congênita, o artigo mostra que já foram descritas diversas manifestações neurológicas em jovens, adultos e idosos: vários casos de síndrome de Guillain-Barré com predomínio da variante axonal motora aguda, iniciada 6 dias após doença febril pelo ZIKAV, com necessidade de assistência ventilatória 29% desses casos, além de uma forma desmielinizante e outra manifestando-se como síndrome de Miller Fisher.

Também o sistema nervoso central tem sido alvo do ZIKAV: um caso de mielite em mulher jovem de 15 anos com extensas lesões cervicais e torácicas e discreta sequela motora; um caso de meningoencefalite em idoso de 70 anos, internado por 17 dias em UTI, porém com recuperação quase plena (discreta sequela motora); e dois casos de encefalopatia, um em uma jovem que manifestou crises convulsivas na vigência da doença febril pelo ZIKAV, outro em um idoso de 70 anos, que manifestou afasia transitória compatível com alentecimento das ondas frontotemporais ao EEG.

Os autores ainda alertam para as formas de transmissão que vão além da picada do Aedes aegypti, em especial a via sexual, que levou o CDC a recomendar preservativo masculino por homens provenientes de áreas endêmicas e/ou que adoeceram (2 a 6 meses!); e alertam também para a estreita janela diagnóstica por RT-PCR (uma semana no soro a até duas em urina, segundo recomendação recente do CDC) e a baixa especificidade da sorologia (ELISA), devido às possíveis reações cruzadas com outros flavivírus.

Por fim, os autores citam as vacinas específicas, ainda em fase experimental, e alertam que, apesar da hipotetizada proteção cruzada, as vacinas contra outros flavivírus mostraram-se ineficazes na prevenção da Zika.

Enfim, trata-se de um artigo de leitura bastante fluida, ótimo para uma rápida atualização acerca das manifestações neurológicas da Zika. Boa leitura!

Link: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/28058206

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s